Sistemas automáticos de extinção por gás

Os sistemas de extinção por gás possuem recipientes com gás, que, quando o sistema é ativado, libertam o gás reduzindo a concentração de oxigénio abaixo do nível necessário para a combustão, ou para criar uma reação química que interrompe o triângulo do fogo (calor, combustível, oxigénio).  

Os sistemas de extinção por gás são menos comuns que os sistemas automáticos de extinção por água. Estes sistemas são utilizados em espaços em que é necessário evitar os danos causados pela água, por exemplo, divisões com quadros elétricos, servidores e computadores, laboratórios e arquivos.   

Este sistema também é chamado sistema de supressão com agente limpo (Clean Agent Fire Suppression). Habitualmente, estes sistemas são constituídos por um agente (gás), recipientes de armazenamento do agente, válvulas de descarga, detetores de incêndio, sistema de alarme de incêndio (painel de controlo, sinal atuador), tubagens de descarga, e boquilhas de dispersão do agente.

No geral, os gases utilizados são ambientalmente seguros, e existem três formas de sufocar o incêndio: 

• Redução do calor -  habitualmente, através da utilização de gases da família HFC (heptafluoropropano); 
• Redução do oxigénio -  através da utilização de argon, argonite, e dióxido de carbono;  
• Inibidores de calor e oxigénio -  através de halon, pentafluoretano (potencial de aquecimento global)
 
Existem duas formas de aplicar o gás: enchendo o espaço de gás, ou aplicando diretamente no fogo. 

Existe o elevado risco de asfixia de pessoas quando o gás é utilizado em espaços confinados, logo, é necessário instalar sistemas para avisar as pessoas, permitindo a sua evacuação atempada.  





    Facebook Twitter LinkedIn Technorati