Controlador da bomba de combate a incêndios

Os controladores para bombas acionadas por motores elétricos e a gasóleo recebem um sinal de um pressostato para o arranque da bomba. Por razões de segurança, cada bomba tem o seu painel de controlo.

Os controladores podem ser divididos em controladores para bombas acionadas por motor elétrico ou acionadas por motor a gasóleo. Os controladores são dedicados, sendo cada controlador para uma única bomba e nunca combinados. São concebidos para controlar e monitorizar as bombas de combate a incêndios, cumprindo os requisitos descritos pelas respetivas normas. A maioria dos controladores estão homologados por entidades, como FM- Factory Mutual, UL- Underwriters Laboratories ou VdS – Vertrauen durch Sicherheit, etc.  
 
Os controladores encontram-se na sala da bomba, e, habitualmente, o seu campo visual inclui as bombas.  São utilizados para monitorizar o estado da bomba, e, em caso de incêndio, o controlador recebe um sinal do pressostato, e ativa o arranque da bomba. Se for ativado um sistema duplo (2 bombas de combate a incêndios), a bomba de serviço é ativada primeiro, uma vez que o valor de referência do seu pressostato é mais elevado do que o da bomba em standby. 
 
Os controladores possuem um sistema de segurança, e se algum cabo de controlo se soltar, as bombas arrancam. Habitualmente, os controladores operam as bombas num modo ligado automático/desligado manual. Assim que o arranque da bomba for despoletado pelo controlador, será necessário o supervisor deslocar-se à sala da bomba e desligá-la manualmente. Este procedimento pretende assegurar que o motivo de ativação é conhecido, e também prevenir o desligar da bomba quando ainda houver sprinklers em funcionamento.





    Facebook Twitter LinkedIn Technorati