Caraterísticas da bomba de combate a incêndios

Habitualmente, as bombas de combate a incêndios são fabricadas com peças internas em material anticorrosão, para evitar o entupimento devido à corrosão. No sentido de evitar a cavitação e manter uma pressão estável no sistema, estas bombas são concebidas especificamente para combate a incêndios, com requisitos rigorosos em termos de NPSH, caudal [Q], e altura manométrica [H].  

É exigido elevado desempenho da bomba para evitar a cavitação, e para assegurar uma altura manométrica [H] com decréscimo estável para o caudal [Q] que diminui. Estas caraterísticas são necessárias para assegurar um desempenho elevado e fiável na distribuição da água pelas tubagens dos sprinklers em todo o edifício.

Materiais da bomba de combate a incêndios
Dado que as bombas de combate a incêndios raramente funcionam, exceto em testes, as peças internas deverão ser feitas em materiais anticorrosão (aço inoxidável, bronze) para evitar o entupimento.

NPSH (altura positiva líquida de aspiração)
As bombas de combate a incêndios têm curvas de NPSH baixas, para evitar a cavitação, e consequente redução no caudal e na pressão. A curva de NPSH é frequentemente medida até 16 m para escolher a potência necessária, no entanto, varia consoante as diferentes normas para bombas.

Curva Q & H (Q - caudal e H - altura manométrica)
É recomendável ter curvas Q&H com um decréscimo estável para conseguir uma pressão estável, mas também para ter um único ponto na curva para cada ponto de pressão.
No caso de bombas em paralelo, as bombas instáveis provocam vibrações que poderão causar uma avaria. As normas das bombas de combate a incêndios definem as caraterísticas específicas das curvas Q&H.

Curva de consumo energético (P2)
O consumo energético é medido em função da altura manométrica e do caudal. O consumo energético pode aumentar de forma constante, ou apresentar um ponto máximo na curva, dependendo do design hidráulico da bomba. A maioria das curvas apresenta um aumento constante. O dimensionamento da potência depende da norma aplicada, mas todas as normas exigem reservas energéticas adequadas, através da seleção da dimensão do acionamento de acordo com o final da curva de consumo, ou de acordo com NPSH para 16 m, para bombas com um caudal máximo a 5 m. 

Caudal máximo admissível (Qmax)
O caudal máximo é determinado essencialmente para evitar a cavitação da bomba, e para assegurar uma reserva energética suficiente. No entanto, em alguns casos também é utilizado para definir a capacidade de água armazenada.
Para sistemas LPCB, o caudal máximo é determinado para definir a capacidade de água armazenada (60 minutos com risco ordinário, e 90 minutos com risco levado).





    Facebook Twitter LinkedIn Technorati